Pilantra!!! Assessoras denunciam que Alcolumbre recebeu R$ 2 milhões em esquema de ‘rachadinha’ em seu gabinete

Publicado em   29/out/2021
por  Caio Hostilio

Pessoas de confiança do parlamentar recolhiam parte do salário de seis assessoras, que ganhavam na época entre R$ 4 mil e R$ 14 mil reais. As funcionárias também entregavam ao senador benefícios e verbas rescisórias as quais elas teriam direito, de acordo com a revista.

O esquema funcionou entre janeiro de 2016 até março deste ano. No período, Alcolumbre foi presidente do Senado de fevereiro de 2019 a dezembro do ano passado. Atualmente, ele está à frente da CCJ da Casa, uma das mais importantes.

Segundo a Veja, para repassar a maior parte de seus salários ao senador, as assessoras tiveram que abrir uma conta no banco e entregaram o cartão com a senha para pessoas de confiança de Alcolumbre.

Em troca, elas recebiam uma pequena gratificação, que, em alguns casos, não correspondia a 10% do salário.

Na época que aceitaram fazer parte do esquema, as seis mulheres — Marina Ramos Brito dos Santos, Lilian Alves Pereira Braga, Erica Almeida Castro, Larissa Alves Braga, Jessyca Priscylla de Vasconcelos Pires e Adriana Souza de Almeida — afirmam que passavam por dificuldades financeiras e estavam desempregadas.

Moradoras de regiões periféricas do Distrito Federal (DF), elas não tinham ensino superior completo nem experiência em trabalhar no Legislativo.

“O senador me disse assim: ‘Eu te ajudo e você me ajuda’. Estava desempregada. Meu salário era mais de R$ 14 mil, mas topei receber apenas R$ 1.350 reais. A única orientação era para que eu não dissesse para ninguém que tinha sido contratada no Senado”, denunciou Marina, de 33 anos, à “Veja”.

Nenhuma das seis funcionárias trabalha mais com o senador. Marina e outras duas ex-assessores, as irmãs Larissa e Lilian, entraram com um processo na Justiça contra Alcolumbre após serem exoneradas sem aviso prévio enquanto estavam grávidas.

Na ação, anexaram documentos que comprovam que tinham vínculo com o gabinete do parlamentar. Entre os papeis, segundo noticiou a revista, há extratos bancários que compravam que alguém zerava as contas das funcionárias quando o pagamento era creditado.

Os saques eram feitos em um caixa eletrônico há 200 metros do gabinete de Alcolumbre.

Em resposta à Veja, o ex-presidente do Senado disse que se concentrava nas atividades legislativas e que questões administrativas, como a contratação de funcionários, ficavam sob responsabilidade do chefe de gabinete à época, Paulo Bouden. O senador disse ainda que não se lembra das ex-assessores citadas na matéria. Boudens foi exonerado em 2020.

Atualmente, Alcolumbre tem rivalizado com o presidente ao barrar a sabatina de André Mendoça na CCJ. O ex-advogado-geral da União é o indicado de Bolsonaro para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF), mas aguarda desde julho deste ano para a votação na Comissão — sessão que o presidente do colegiado se nega a marcar.

  Publicado em: Política

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

PUBLICIDADE

Busca no Blog

Arquivos