Irresponsabilidade total do governo Boliviano!!! Voo da Chapecoense estava irregular desde o início

Publicado em   01/dez/2016
por  Caio Hostilio

Como pode a agência de aviação da Bolívia, mesmo sabendo que o vôo poderia não chegar ao destino por falta de combustível, autorizou a decolagem? Quanta irresponsabilidade, pois estavam lidando com dezenas de vida humana… Confirma-se, conforme a matéria “Incógnita!!! O que levou o avião da Chapecoense cair? A Capacidade de combustível é menor que o trajeto previsto”, publicada no dia 29 de novembro de 2016, a incompetência de piloto que só pensou em ganhar dinheiro e falta de compromisso com a coisa pública por parte do desgoverno Boliviano…

quedaO plano de voo da aeronave Avro RJ85, que transportava o time da Chapecoense, estava irregular desde o início. Segundo o documento, publicado nesta quinta-feira (1) pelo jornal boliviano “El Deber”, o piloto informou que o tempo previsto para o voo era de 4 horas e 22 minutos.

Em outro campo do plano de voo, o piloto ainda informa que a capacidade da aeronave é voar exatamente de 4 horas e 22 minutos. “Ele não teve nem o trabalho de mentir no plano de voo”, comentou à Folha de S.Paulo um oficial de alta patente da Aeronáutica brasileira ao analisar o plano de voo.

Levando em conta essas informações, não haveria margem alguma de segurança quanto ao consumo de combustível ao longo da viagem. A principal hipótese investigada é de que, ao ser orientado a voar em círculos devido o tráfego aéreo em Medellín, na Colômbia, o avião ficou sem combustível.

O plano não considerava escalas para abastecimento no meio do trajeto. Segundo o documento apresentado pelo jornal, o voo descumpriu desde o início o que estabelecem as regras internacionais de segurança em voo. Segundo a lei boliviana, um voo deve ter combustível suficiente para chegar a seu aeroporto de destino, mudar de rota para um segundo aeroporto e ainda voar por pelo menos 45 minutos.

De acordo com as autoridades colombianas, no entanto, o avião da Lamia não tinha nem mesmo combustível para ir até o seu aeroporto de apoio, que seria em Bogotá, capital da Colômbia. Segundo o jornal boliviano, a AASANA (autoridade boliviana de aviação) questionou 5 pontos do plano de voo. Mas a entidade teria sido convencida por um funcionário da LaMia que o voo seria seguro.

Miguel Quiroga, que morreu no acidente, é um dos donos da empresa LaMia e assina o plano de voo. A mesma aeronave já havia feito uma viagem na mesma rota em que ocorreu o acidente, em 28 de outubro. O percurso, no entanto, foi feito no caminho contrário, entre Medellín e Santa Cruz de la Sierra.

A viagem ocorreu praticamente em linha reta, sem que a aeronave tivesse que aguardar por muito tempo pela liberação para o pouso, como ocorreu na noite do acidente. No dia 28 de outubro, o voo durou 4 horas e 32 minutos. No dia do acidente, antes de cair, o voo durou 4 horas e 42 minutos. Baseado nesta viagem, o piloto conseguiu a autorização para transportar o time da Chapecoense. “A viagem que deu certo, deu certo por sorte. E a sorte uma hora acaba”, disse o oficial.

Segundo o oficial brasileiro, o plano de voo não deveria ter sido autorizado pela s autoridades bolivianas. A Folha procurou a autoridade boliviana de aviação não comentou o caso.

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog