Uma pergunta que não pode calar:

Publicado em   11/maio/2012
por  Caio Hostilio

A vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, Érika Kokay (PT-DF), simplesmente se calou diante da comprovação de que o Marcelo foi assassinado de fato pelo o Hospital Santa Lúcia de Brasília, devido ao manuseio e dosagens erradas nos medicamentos.

O presidente da EMBRATUR, Flávio Dino, trava uma luta árdua, solitariamente, em Brasília, para que os verdadeiros responsáveis sejam punidos, que são os proprietários daquele hospital, que sempre agiu como comerciantes e não salvadores de vidas humanas.

Na última audiência, dia 24/04/2012, a deputada Erika Kokay (PT-DF) apenas resumiu sua fala em: “Espero que tenhamos o compromisso para que essas mortes não caiam na impunidade. A impunidade naturaliza algo que não é natural. Isso não diz respeito apenas a uma discussão de Procon, porque não podemos reduzir o ser humano à condição de consumidor”. E depois em jogar para a Agência Nacional de Saúde (ANS) “tem um olhar muito pautado nas relações de consumo” e a “mercantilização da vida” não pode ser aceita. “Nós temos um processo de desgaste do SUS, que muitas vezes é deliberado, para justificar uma privatização dos serviços de saúde. Não podemos aceitar isso”.

Não é isso que esperamos como cidadão de uma comissão de Direitos Humanos de uma Casa que representa o brasileiro, senhora Erika Kokay, ainda mais da senhora que é de Brasília e conhece o histórico do Santa Lúcia.

Diante de tudo isso, qual será sua atitude para que realmente os verdadeiros responsáveis pela morte de Marcelo sejam punidos? Ou devemos acreditar que a impunidade prevalecerá?

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog