Informativo

Publicado em   29/nov/2011
por  Caio Hostilio

Greve corporativista de policiais atrapalha ganhos a outras categorias

Por: maranhaoemfoco2008@gmail.com 

Enquanto as polícias civil, militar e bombeiros paralisam suas atividades, atuando de forma corporativista, justificando “melhores salários”, mais de 32 mil servidores públicos estaduais – administrativos e de nível superior – podem estar sendo prejudicados.

Explica-se: o Governo do Estado está finalizando um amplo estudo que prevê o realinhamento salarial dos servidores públicos estaduais ativos e inativos, contemplando também os policiais militares.

Mas, com a paralisação dos policiais, considerada ilegal pela Justiça, a prioridade que vinha sendo dada pelo governo a esse estudo foi prejudicada pela necessidade de planejar ações de segurança pública para garantir tranqüilidade à população.

O próprio Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais entende que o ganho deve ser de todos e não somente de uma ou outra categoria. E que pela primeira vez na história, um governo (no caso o atual) está tendo vontade política de presentear o funcionalismo público estadual com um Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR).

A intransigência dos policiais, categoria que só vê o próprio umbigo, só atrapalha que o conjunto dos servidores públicos – do qual os policiais fazem parte – sejam valorizados e tenham os ganhos que tanto esperam. 

 Enquanto isso, o TJ diz que os policiais civis têm direito a uma gratificação da época do governo Jackson Lago… Por que só agora a decisão saiu?  

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) entendeu que o Estado deveria ter aplicado reajuste sobre a extinta gratificação de atividade exclusiva dos policiais civis, antes de incorporá-la ao subsídio do Grupo Ocupacional Atividades de Polícia Civil (APC), fixado por lei estadual de julho de 2007. Na sessão desta terça-feira (29), os desembargadores votaram favoravelmente a recurso do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-MA), para reconhecer o direito à diferença.  A decisão unânime da 4ª Câmara Cível reformou sentença de primeira instância, que havia julgado procedente em parte o pedido do sindicato, condenando o Estado a aplicar percentuais de 22,07% e 27,22% (conforme os cargos) sobre a gratificação, com juros e correção, com incidência a contar de 2 de junho de 2005 até 30 de junho de 2007. A Lei nº. 8.694/07, que incorporou a gratificação ao subsídio, passou a vigorar em 1º de julho de 2007. O sindicato entrou com recurso de apelação, alegando que o acréscimo determinado na sentença de primeira instância deveria ter efeito para todo o futuro, ao invés de ficar limitado ao período determinado pelo juiz. Considerou que passou a se permitir a redução de salários, o que é vedado pela Constituição Federal. Muito estranho que essa decisão só tenha saído agora e não quando do governo Jackson Lago, haja vista que a reclamação é de 2007 e o governo Jackson Lago foi até o ano de 2009… Quanta coincidência!!!

  Publicado em: Governo

2 Responses to Informativo

  1. Márcio Campos disse:

    Essa greve da Polícia Militar do Maranhão só tem beneficiado os líderes, que pretendem se lançar candidatos nas próximas eleições e o povo é quem sofre, ainda bem que a chegada da Força Nacional trouxe segurança à cidade. O governo já sinalizou que existe um estudo para promover o realinhamento salarial da polícia e bombeiros do Maranhão, não há necessidade de se continuar com a paralisação dos militares, que pelo jeito, só beneficia uma pequena minoria. Eu como funcionário público há mais de 20 anos tenho vergonha de greves como essa.

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog