Comandantes da grave ameaçam o governo, a Força Nacional, as Forças Armadas, Tropa de Choque e quem mais queiram desafiá-los…

Publicado em   24/nov/2011
por  Caio Hostilio

A decisão do desembargador Stélio Muniz em determinar a imediata suspensão da greve da Polícia e Bombeiro militar,  sob pena de multa diária de R$ 200,00 para cada integrante da corporação, não mexeu com a empogação dos mentores.

Agora pouco, um dos comandantes da greve, disse no micofrone, aqui na Assembléia Legislativa, que não arredarão o pé daqui do Legislativo, de que eles tem força e mantimentos para segurar o movimento, além de ameaçar o governo, caso não cumpra com o aumento: “Vamos parasilar o presídio de Pedrinhas, fechar a BR 135 e barra a ferrovia de Carajas, que dará um prejuízo de mais de R$ 3 milhões por dia ao Maranhão… Nós somos homens e pode vir a Força Nacional, o Exército, a Tropa de Choque, que estaremos prontos para recebê-los… Haverá guerra”, disse o locutor.

Pelo visto, os comandantes da greve deixa claro que se não houver o pedido de aumento salarial que eles querem, o Maranhão será transformado numa verdadeira bagunça generalizada.

Deixando, claro, ainda, que a governadora tem que dar o aumento de qualquer forma, pois eles são mais fortes e que não desistirão de seus objetivos.

Uma coisa é certa afirmar, os comandantes da greve já mostraram que estão bem orientados e invadiram o Legislativo, onde sabem que muitos deputados estão lhes dando apoio logístico e ordem para que continuem e partirem para briga se for o caso.

  Publicado em: Governo

2 Responses to Comandantes da grave ameaçam o governo, a Força Nacional, as Forças Armadas, Tropa de Choque e quem mais queiram desafiá-los…

  1. Antonio Lima disse:

    Professor, tenho impressão que a Governadora estar sendo mal assessorada no trato com as força policiais. Vejamos: delegados, polícia militar, corpo de bombeiros e polícia civil estão todos insatisfeitos por não terem os acordos firmados com o governo sendo cumpridos.
    Convocar a força nacional e o exército para garantir “segurança” demonstra uma falta de capacidade gerencial e um total desrespeito aos acordos firmados com a categoria das forças de segurança.

    • Caio Hostilio disse:

      Mas que acordo? O único acordo que existia está sendo cumprindo, que é transformar os R$ 14% em horas extras dos delegados em piso salarial…. Canalha foram aqueles que disseram aos policiais militares que seria um aumento, quando está havendo uma mudança de rubrica, coisa acordada.

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog