Brasil é um país de otários!!! É preciso aprender o que precisa…

Publicado em   16/ago/2012
por  Caio Hostilio

Quem pensa que o Brasil é o pior dos lugares do mundo está redondamente enganando!!!

O Brasil não deixa a desejar pra ninguém e se supera em muito sobre países que se dizem os melhores em tudo.

Estou fazendo uma excursão pelo velho continente, a Europa, e já estive em Portugal (Lisboa), França (Paris e em diversas cidades), Suíça (Bruxelas) e estou agora na Itália, visitando  Aosta, Milão e seguindo para Veneza…

Em Lisboa pude constatar logo de início que seu aeroporto é velho e ultrapassado, pois temos que andar de ônibus da aeronave até a sala de desembarque por um bom tempo. O atendimento é péssimo e os portugueses são mal-educados.

Na França… Paris. O aeroporto? No Brasil, os aeroportos de Brasília, Galeão (RJ), Guararapes (Recife) etc. são bem melhores!!!

Os franceses, apesar de ser uma cidade turística e viver praticamente do turismo, são completamente mal-educados e tratam muito mal os visitantes.

A culinária é de péssima qualidade e não oferece variedades… Apenas se come bem no Bairro Latino.

O cuidado com a cidade, principalmente com os bairros fora do centro, são deveras descuidados. Faltam capinas, plantio e jardins nas praças… Muitos desempregados!!!

É uma cidade tomada por angolanos e muçulmanos, que vivem de subempregos, nas centenas de feiras de camelôs espalhadas pela cidade, que chamam de “pulgas”…

Serviço de hotel é péssimo. Não tem frigobar, não oferece computador e o café da manhã… Prefiro nem comentar!!! Porém, é grandiosa pela cultura, pois vale à pena conhecer o maior museu do mundo, o LOUVRE e passear no Rio Sena, que está totalmente despoluído, além da famosa universidade da Sorbonne.

A Avenida Champs-Élysées tem 2,5 quilômetros, que dizem ser a avenida mais charmosa do mundo em moda e onde estão as melhores lojas… Nunca!!! Está longe da Rua Visconde de Pirajá, Ipanema no Rio de Janeiro e Av. Paulistaem São Paulo.

Contudo, visitá-la é compensadora para observar os palácios luxuosos e imensos, mostrando, com isso, o quanto a monarquia Francesa foi a mais aristocrata… Olha a guilhotina aí!!! 

Agora dizer que a França tem as melhores rodovias do mundo, isso ninguém pode negar!!! Genebra (Suíça). Realmente pode-se tirar o chapéu em todos os aspectos. Também pudera, é a per capita entre todas as cidades do planeta R$ 2.300 Euros. Limpa, organizada, atenciosa com os turistas. Ah!!! Aceita todas as moedas para comprar…

Aosta e Milão (Itália). Os italianos são mais receptivos que os franceses.

Mas no hotel o ar condicionado não funcionou e a água não estava esquentando… Olha que a cidade de Aosta fica nos Alpes!!!

Em Milão, conversei com um grupo de jornalistas… E disse: “A Europa é modelar em logística, pois as rodovias e ferrovias são bem estruturadas. Vi que existem muitos pedágios e isso mantém essas rodovias com esse padrão”. Eles disseram que os europeus pagam com prazer esses pedágios, pois recuperam no consumo de combustível, na manutenção dos veículos, no tempo e, principalmente, com pneus.

Falei a eles, também, que o respeito ao meio ambiente é muito grande, principalmente com os rios, as encostas de montanhas, animais e lixo. Eles disseram que os europeus pagam taxas altas água e esgoto, para que tenha água de qualidade e esgoto, pois assim não poluem os rios… As leis européias anti-poluição são rígidas.

Uma coisa que me chamou muito a atenção foram os tamanhos das propriedades rurais. Não existem latifundiários… São pequenas propriedades e todas produtivas, com seus agricultores tendo um bom lucro… Seria o modelo que tanto o Brasil luta para implantar: “Agricultura Familiar”, mas cadê a reforma agrária de fato?

VENEZA – MEU GRANDE SONHO!!! SIMPLESMENTE BELA!!! O SENTIDO DO QUE HÁ DE “BELO”… MAGESTRAL, MAGNIFICA, ROMÂNTICA…MISTURA DO MEDIEVAL COM O CONTEMPORANEO… A BELEZA DO MAR MEDITERRÂNEO… VALEU MINHA VIAGEM!!!

Por essas questões valeu até agora conhecer a Europa!!! Mesmo assim, sou mais o Brasil…

No Brasil, por sua vez, os hotéis, até de duas estrelas, oferecem frigobar com água e refrigerante e o ar funciona…

Os bares e restaurantes atende bem e o povo brasileiro é super receptivo…

Ainda falam do Brasil!!!

Será que vale a pena conhecer esses magníficos palácios franceses e italianos, ou melhor, conhecer as praias tropicais e belas do Brasil? Uma coisa eu posso dizer: O Rio de Janeiro não perde em nada para nenhuma dessas cidades… Sabem de outra? Caso cuidassem do Centro Histórico de São Luís e estimulasse muitos donos daquelas propriedades a transformá-las em cafés e restaurantes, como vi aqui em Aosta, A capital maranhense se transformaria num dos maiores pólos turísticos do mundo!!!

Qual cidade poderia oferecer ao mesmo tempo o passado boêmio e o presente com belas praias, além de uma culinária maravilhosa?

Povo hospitaleiro São Luís tem, o passado histórico tem, o presente de praias lindas tem, a culinária maravilhosa tem… O que falta?

  Publicado em: Governo

16 Responses to Brasil é um país de otários!!! É preciso aprender o que precisa…

  1. Fernando disse:

    Belo artigo meu amigo. O que falta??? Um Prefeito que preste!!!

  2. Glauber disse:

    QUEM TA BANCANDO ESTA VIAGEM SERIA O GOVERNO DO ESTADO?

  3. José Carlos Tajra disse:

    Acho que a mudança climática ou o fuso horário alteraram profundamente o seu discernimento…

  4. Ribamar disse:

    Amigo Caio,
    Como diz um amigo meu e compadre, não vale só falar ” TEM QUE MOSTRAR AS FOTOS”, se não existe não vale.
    Um abraço, e bom proveito.

  5. Henrique disse:

    Meu caro Caio,

    Também sou mais o Brasil, já estive em todos os lugares que você falou, mas discordo com você em uma coisa: Paris, que na minha opinião, êh um dos melhores lugares do mundo para se comer….mas Sao Paulo não fica muito atras….o problema êh que os melhores lugares custaram caro…muito caro…e talvez você não teve a oportunidade de conhece-los, mas parabéns pela matéria e fico feliz você teve a oportunidade de conhecer Veneza, que êh realmente linda!!!

    • Caio Hostilio disse:

      A Italia supera a França em tudo, principalmente em hospitalidade, culinária e lugares mais lindos… Veneza, Capri, Napoli, Milão, Roma, Aosta, vão além de tudo…

  6. Pingback: Caio Hostilio | Metendo o bedelhoConfirmando o que eu vi!!! NYT diz que Espanha tranca o lixo por conta da fome da população |

  7. Flavio Moreira disse:

    Caio, vim ao seu blog através de um link no blog do Nassif.
    Compreendo seu ponto de vista. Com muito sacrifício consegui ir à Europa duas vezes, uma em agosto de 2010 e outra em janeiro de 2012. Na primeira vez fui fazer um curso de duas semanas em Londres e aproveitei para visitar Paris e Dublin. Na segunda vez fiquei três semanas em Paris e depois fui para Florença, Milão e Reggio Emilia, onde mora meu afilhado de casamento.
    Vou discordar de você em alguns pontos e, por favor, não me interprete mal, mas acho que suas posições são mais apaixonadas do que críticas. Todas as cidades têm suas virtudes e seus defeitos e acho meio bobo esse comportamento de se eleger “o melhor lugar, a melhor comida, o melhor isso, o melhor aquilo”, mesmo porque, no frigir dos ovos, muitos desses “melhores” são baseados, totalmente, em conceitos subjetivos.
    Vamos lá:
    Paris e os franceses. Sempre tive muito interesse em história do velho continente e, claro, a França não poderia estar de fora. Saí daqui conhecendo bem a fama de povo mal-humorado dos parisienses, ainda que não concordasse muito com essa visão por ter grandes amigos franceses. Veja que disse “dos parisienses” e não franceses em geral. Para minha surpresa, nas duas vezes fui muito bem recebido na cidade. Na primeira vez, que foi uma estadia bem curta (cinco dias) eu tive um cicerone francês (da Normandia, mas que tem uma prima morando em Paris, onde ficamos) e fiz o “roteiro turistão” mesmo: Notre Dame, Louvre, Tuilleries, Eiffel etc. Mas também coisas menos “pops” como o Instituto do Mundo Árabe e a Mesquita de Paris, O Jardin des Plantes, o Museu da Cidade de Paris (Carnavalet), entre outros.
    Da segunda vez eu aluguei um apartamento no 19éme, porque ia fazer um curso de francês e ficava mais barato do que ficar em hotel. E, dessa vez, estava sozinho, falando macarronicamente a língua.
    Fui extremamente bem recebido onde quer que eu fosse: desde a atendente no guichê da Gare du Nord (cheguei de trem de Londres) onde carreguei meu Navigot (o bilhete único deles) até lojas finas de artigos culinários na rue Montorgueil. Fui tratado com educação e simpatia, embora concorde que nem sempre o parisiense é sorridente. Mas não senti, em nenhum momento, a falta de educação que você menciona. Eles são assertivos, sim, e muito objetivos. Seu temperamento certamente diverge do nosso, mais acolhedor, talvez, porém mais condescendente com estrangeiros do que eles são, certamente. Mesmo com um francês sofrível, encontrei pessoas solícitas que, mesmo eu sabendo que eles não gostam, se ofereciam para falar comigo em inglês – o que prontamente recusei porque queria absorver ao máximo a língua. Isso com certeza angariou mais simpatia dessas pessoas.
    Em relação à culinária, acho um pouco cruel que você diga que não há opções. Paris oferece um leque variado de opções, desde da culinária regional (basta ir a Montparnasse para experimentar as deliciosas “gallettes bretagnes”, por exemplo) até a cozinha extremamente interessante do Magreb, entre outras. Sua confeitaria é deliciosa e duvido que, uma vez tendo experimentado um legítimo croissant você volte a olhar com simpatia para o similar da nossa padaria da esquina. Isso torna a França e os franceses melhores do que nós? NÃO, de jeito nenhum! Eles têm suas particularidades, sua cultura, seu jeito e é isso que faz deles o que são, para o bem e para o mal.
    Itália: não passei meu aniversário em Veneza, que era o meu sonho, mas tive a sorte de encontrar amigos generosos em Florença, onde comi maravilhosamente bem, Entretanto – e isso era opinião dos próprios italianos – os florentinos são arrogantes e frios. Em Milão vi a mesma situação que você viu em Paris em relação aos africanos – eles inclusive aplicam golpes em turistas incautos em frente ao Duomo, com suas pulseirinhas coloridas que eles oferecem como “presente” mas de fato querem extorquir dinheiro. É preciso determinação e cara feia para se livrar deles. Os culpo? Não, porque eles estão alí como uma resposta aos anos de domínio europeu sobre o continente africano e eles agora se sentem no direito de cobrar a fatura.
    Os italianos do norte são, sim, grossos e nada acolhedores. Como você pode perceber, tivemos experiências diferentes. Qual delas é a mais verdadeira? Acredito que as duas, porque nossa percepção desses locais é “pessoal e intransferível” (rs). Mas ambas são válidas e ambas têm fundamento na experiência.
    Eu cheguei na Europa em janeiro via Barcelona. Confesso que eu estava apavorado, por causa das muitas histórias que lemos aqui sobre brasileiros barrados na Espanha. Mais uma vez fui surpreendido por um atendimento extremamente simpático, até mesmmo pelos funcionários da imigração que – pasme – disseram que eu deveria voltar e visitar Barcelona (fiquei só uma noite para pegar o vôo no dia seguinte para Londres).
    Se São Paulo (onde moro) não deve nada a ninguém em termos de gastronomia e o Rio de Janeiro (onde nasci) ainda é a cidade mais linda do mundo graças à sua peculiar conformação entre praia e montanha (na zona sul, deixemos isso bem claro), não podemos compará-las com outras cidades usando quesitos subjetivos como beleza, por exemplo. Paris, Londres, Florença, Veneza, Roma, Barcelona, (coloque aqui a cidade que você quiser) têm mais história, mais monumentos, mais consciência de preservação patrimonial (São Paulo já perdeu muitos de seus prédios históricos e, como você mesmo disse, São Luís poderia ser um dos maiores polos turísticos do Brasil se tivesse o mínimo de atenção dos governos) e sua beleza própria. Há quem ache Paris mais linda que Praga; há quem considere a parte antiga de Budapeste uma jóia perdida na Europa do leste, há quem odeie Londres. Quem está certo?
    Quanto à crise que assola a Europa, vi branquinhos de olhos azuis em Londres dormindo em saídas de ar de metrô e fuçando lixeiras, também. Mas quando saio do meu trabalho, aqui em São Paulo, passo pela cracolândia e vejo que o número de perdidos e desamparados só faz aumentar. Se lá eles estão sendo sacudidos por uma crise econômica que está destruindo o estado de bem estar social, aqui nós nem chegamos a construir um e nossos desvalidos nunca tiveram de onde “decair”, porque sempre estiveram à margem dos parcos benefícios sociais.
    Como resolver esse nó górdio?
    Abraços

    • Caio Hostilio disse:

      Concordo com você em parte… Realmente visitar esses lugares que você citou é realmente maravilhoso, pois estive em todos!!! Em minha opinião, o melhor lugar de Paris é o Bairro Latino… Mas busquei informações sobre as situações economicas, sociais e politicas dos países em que estive, além de visitar bairros mais pobres e as feiras dos “pugas”, aqui comparados aos camelôs… Tomou conta de Paris… Angolanos vivem de sub-empregos e geram dificuldades na saúde, educação e segurança pública. Na Itália, estive em várias cidades, Milão, Roma, Assis, Napoli, Aosta, Veneza, Pompeia, Capri e outras cidades menores. Vi um país bem mais organizado e um pouco melhor economicamente que a França. Mas a reclamação é grande, o desemprego e a miséria se ver em todos os lugares. Na Suiça, em Genebra, realmente conseguir ver um país sem problemas, todo porque não entrou no Euro. Portugal, dificuldades em todas as áreas. Portanto, amigo, cheguei a conclusão que os países neo-latinos só serviram de bucha de canhão para os países germanicos nessa história de Euro!!!

      • Flavio Moreira disse:

        Caio, nesse ponto eu concordo integralmente com você. Econômica e socialmente a Europa está sendo destruída pelos ditames neoliberais dos grandes bancos.
        A situação da Suíça é privilegiada não só por não ter entrado no Euro (a Grã-Bretanha também não entrou e a situação deles também não é das melhores, ainda que não chegue perto do que está acontecendo com Portugal e Espanha, por exemplo), mas também porque é porto seguro para grandes fortunas, muitas vezes de origem duvidosa…
        Mas, de fato, Genebra (que foi a única cidade que visitei) é extremamente limpa, organizada, quase “perfeita” demais (rs).
        Abraços.

  8. Pingback: Caio Hostilio | Metendo o bedelhoO blog Metendo o Bedelho é destaque mais uma vez no blog do Luis Nassif |

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog