Mas é aceitável, democrático e conspirar contra o presidente? Maia diz que atos contra o STF são “inaceitáveis”

Publicado em   01/jun/2020
por  Caio Hostilio

Maia diz que atos contra o STF são “inaceitáveis”: Como pode achar que o STF é o todo poderoso e que pode agir num golpe orquestrado pelo Judiciário e o Legislativo para derrubar um presidente eleito democraticamente e que não comunga com esse “SISTEMA VICIOSO E CORRUPTO” EXISTENTE NO BRASIL? Os ministros do STF podem xingar e tecer comentários que comparam o governo atual ao Nazismo, como fez o relator do inquérito orquestrado para arrancar Bolsonaro do Planalto, Celso Mello. O General Ramos rebateu Celso de Mello: comparar o país com regime nazista foi inoportuno e infeliz.

Por isso é inaceitável um presidente da Câmara dos Deputados ir contra manifestações pacíficas, cuja cobranças são democráticas. Maia disse: “Eu acho que, em um momento como este, em uma pandemia que atinge todo o mundo, que atinge o Brasil, nós acompanhando movimentos como esse do último domingo, que são inaceitáveis. É inaceitável que faça uma mobilização com respaldo do governo. Ele precisa respeitar as instituições democráticas”. MAS QUEM RESPEITA O EXECUTIVO, CUJO PRÓPRIO MAIA DEIXA CADUCAR DIVERSAS MEDIDAS PROVISÓRIA EM PROL DO POVO?

FOI MAIS QUE MERECIDO, POIS TRABALHA CONTRA O GOVERNO E OS BRASILEIROS: “Eu fui vítima desde o ano passado desses ataques. Hoje é o Supremo, em um movimento gravíssimo. Então, nós precisamos organizar as relações dos Poderes com a sociedade. A maioria absoluta da sociedade, certamente perplexa, não aceita que a gente possa ver movimentos em 2020 contra o Supremo, contra o Congresso”, disse o deputado.

A FORMA MAIS ESDRÚXULA DE CONCORDAR COM O GOLPE QUE SE AVENTURA: “Eu acho que a Justiça tem que, respeitados os limites da lei, tomar decisões duras em relação às ameaças que se fazem aos ministros do STF. Quando é uma crítica, isso é da democracia e da liberdade de expressão. Mas notícias falsas, ameaças… Por que se fazem ameaças? Porque se quer impedir que o outro cumpra suas funções constitucionais. Não quer que o ministro continue investigando as questões das fake news.”

  Publicado em: Política

Deixe uma resposta

Busca no Blog