Projeto moedor: Marcial Lima quer acabar com calotes em grupos culturais

Publicado em   15/maio/2019
por  Caio Hostilio

Do Blog Hora Extra

Vereador Marcial Lima quer acabar com a onda de calotes dada pela Prefeitura de São Luís a grupos culturais (Foto Paulo Caruá)

O vereador Marcial Lima (PRTB), após ouvir os reclames de dirigentes de grupos culturais e de pessoas ligadas ao folclore maranhense, vai apresentar um projeto um tanto quanto polêmico, mas que, na visão do parlamentar é de grande importância. O projeto tem como principal objetivo proteger quem é contratado pela Prefeitura de São Luís para se apresentar em eventos tradicionais como carnaval, festas juninas, aniversário da cidade e até mesmo a badalada Feirinha de São Luís, realizada aos domingos na Praça Benedito Leite.

Marcial Lima se baseia no chororô de muitos produtores culturais que alegam constantes calotes, pois para muitos, virou rotina cantores e grupos folclóricos se apresentarem em eventos promovidos pela Prefeitura e ´ficarem sem receber seus cachês. O vereador ouviu destas pessoas, exemplos do não pagamento de muitas de suas apresentações, mesmo sendo formulados contratos previamente, assim como publicação de editais e exigência de uma série de documentos, tais como certidões negativas para que esses grupos se tornem aptos a participar destes processos.

O projeto tem como fundamento que, caso a Prefeitura de São Luís não efetue o pagamento do cachê na data definida entre as partes, seja aplicada uma multa contratual três vezes sobre o valor da apresentação do grupo ou do artista contratado. Marcial alega que atualmente, existe um desgaste muito grande para diversos músicos e artistas que ficam sem receber pelos seus trabalhos por longos períodos e tudo, por falta de compromisso de quem os contratou, no caso de São Luís, a Fundação Municipal de Cultura (Func).

“Muitos destes produtores culturais preferem não se identificar para evitar retaliações, mas tomei conhecimento que ainda existe pendência de pagamentos de cachês do período carnavalesco e de apresentações na Feirinha São Luís. Até mesmo as pessoas que integraram o corpo de jurados do carnaval de passarela ainda não receberam o que foi prometido pela Func, organizadora do evento. O projeto que estarei apresentando, obriga a Prefeitura de São Luís a cumprir os contratos redigidos por ela própria, mas que na atual conjuntura, em muitos casos, só quem cumpre as cláusulas em sua íntegra são os contratados”, pontuou Marcial Lima.

Apesar do projeto defender os interesses da classe de profissionais da cultura da capital maranhense, o vereador Marcial Lima teme que seu projeto não seja aprovado por seus pares, no plenário da Câmara Municipal. No entanto, ele alega e alerta que mais uma temporada junina está se aproximando e com ela, o risco eminente de grupos folclóricos serem contratados pela Prefeitura e correrem o risco de só receberem os seus cachês no carnaval do ano que vem. E isso com a ajuda de São Pedro, Santo Antonio, São João e São Marçal.

  Publicado em: Política

One Response to Projeto moedor: Marcial Lima quer acabar com calotes em grupos culturais

  1. Reynaldo Aragão Pinto says:

    Ditado popular: Quem não pode com o pote,não segura na rodilha. Esse ditado cai muito bem para a prefeitura de São Luis,em especial ao prefeito e seus auxiliares da Func ,que jamais atrasaram cachês de artistas evangélicos. Agora,o resto é resto e quem quiser será sempre assim. Só Deus na causa.

Deixe uma resposta

Busca no Blog