Hei Caco Barcellos, qual é o teu interesse no Maranhão?

Publicado em   29/ago/2013
por  Caio Hostilio

imagesPor que você esconde a desgraceira da saúde de São Paulo, seu estado, onde você trabalha, para deslocar até Tutoia, estado do Maranhão para fazer uma reporcagem sobre um município de difícil acesso?

Mas vamos clarear tua memória sobre o estado de São Paulo e de Santa Catarina… Faz uma reportagem, pois está tão pertinho de você!!!

58% dos hospitais públicos de SP têm macas no corredor

Fernanda Bassette – O Estado de S.Paulo

imagem_0207121341225920_gMais da metade dos prontos-socorros públicos do Estado de São Paulo está superlotada – com macas espalhadas nos corredores -, não consegue transferir pacientes para serviços de referência, tem equipes médicas incompletas e não possui um médico responsável pelo plantão.

A situação precária das unidades de saúde foi constatada após fiscalização do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), entre fevereiro e abril deste ano, em 71 unidades (23 na capital e 48 em 35 cidades do interior) em uma única visita a cada uma delas. A amostra representa 10% do total de prontos-socorros do Estado e o critério de escolha foi o tamanho, a localização e as reclamações. Entre os 23 hospitais da capital, 6 são administrados por Organizações Sociais (OSs).

Um terço dos PSs não faz a triagem com a classificação de risco dos pacientes, o que atrasa o atendimento aos doentes realmente graves. Quase 60% das unidades sofrem com a falta de material básico (como jogos de pinça e aspirador elétrico) nas salas de emergência, que estão inadequadas em 30% dos serviços vistoriados.

Para o Cremesp, esse gargalo é reflexo do subfinanciamento da saúde pública e também da falta de uma rede básica de saúde estruturada e resolutiva, em que os pacientes consigam resolver os pequenos problemas de saúde no atendimento primário perto de casa, evitando idas desnecessárias aos hospitais.

“Os serviços de urgência e emergência são um grande e grave problema de saúde pública. Responsabilizamos as Secretarias de Saúde municipais e a estadual e o Ministério da Saúde pela falta de financiamento e gestão do sistema”, diz Renato Azevedo Jr., presidente do Cremesp.

Desumano. O levantamento mostra, por exemplo, que 57,7% dos hospitais fiscalizados possuem pacientes internados em macas no corredor – um dos piores indicativos. O tempo médio de permanência nessas condições é de cinco dias.

Para Gonçalo Vecina, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, essa é uma das consequências da falta de leitos especializados no atendimento de pacientes graves. “Ficar na maca por tanto tempo é desumano. Há locais onde sobram leitos, mas de baixa complexidade.”

O médico Bráulio Luna Filho, conselheiro do Cremesp, afirma que há pacientes morrendo em decorrência da precariedade. “Muitas pessoas deveriam ter atendimento prioritário e não recebem, não há recursos técnicos necessários, falta infraestrutura para exames. A população não tem alternativa.”

Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina, diz que os resultados quantificam um problema que se arrasta há muitos anos não só em São Paulo, mas em todo o País. “Essa percepção da calamidade nos PSs existe há muito tempo. A rede básica inadequada se reflete na qualidade desses serviços. E a falta de infraestrutura e de médicos é consequência da falta de investimentos.”

Agora, Caco Barcellos, veja a situação no Estado de Santa Catarina, cuja per capita é bem superior ao do Maranhão!!!

Deputados constatam situação precária do Hospital Regional de São José

hosp-regional02Salas que deveriam servir para os primeiros socorros foram transformadas em locais de internação. No setor de reanimação da Cardiologia, há pacientes entubados, com equipamentos de respiração expostos para o lado de fora das janelas da unidade. Entre os pacientes, muitos idosos.

O vai e vem dos enfermeiros e médicos que se esforçam no meio de tanta gente doente foi interrompido com a visita surpresa dos deputados, motivada por mais de 100 denúncias, por meio do SindSaúde, anotadas em formulários assinados por funcionários do hospital que clamam por mais estrutura de atendimento.

“Em diversas visitas que realizamos aqui, nunca presenciei uma situação tão grave. Agora vamos fazer um relatório e cobrar do governo do Estado e da Secretaria de Saúde. O governo sempre nos escuta, apresenta propostas, mas nunca uma solução definitiva. Falta assistência básica nos municípios, o que aumenta a procura nos hospitais”, disse Morastoni, que preside a Comissão de Saúde no Parlamento.

Representantes do SindSaúde acompanharam a visita dos deputados, que mereceu atenção de toda a imprensa da região. Pedro Paulo das Chagas, presidente do sindicato, revelou que a principal reclamação dos funcionários é a falta de estrutura para atender tantas pessoas. Chagas não soube informar a quantidade de pacientes internados na Emergência, alegando que a cada dia o número de internados só aumenta. “A reabertura do Hospital Florianópolis seria uma solução em curto prazo para o problema”, sugeriu.

À medida que a comitiva visitava os corredores, os deputados ouviam apelos desesperados de parentes de pessoas que esperam por leito e cirurgias há um mês em cadeiras e poltronas improvisadas, sem conforto, higiene e atendimento adequado para a recuperação. “Eu vejo muita gente morrer neste chão todo dia. São filhos lutando pela vida dos pais. Falta dignidade das autoridades para resolver os problemas”, denunciou Luiz Antero Guerra, estudante da 9ª fase de Medicina da Unisul, que faz estágio no Hospital Regional.

Com o olhar cansado e insatisfeita com o tratamento dedicado ao marido, Guacira Fagundes diz que a “culpa” não é dos funcionários. “O atendimento deles é ótimo. São pessoas excelentes que fazem o que podem. Mas falta estrutura”, disse Guacira, que acompanha o marido diabético na quinta internação no mesmo hospital. “Esta há 11 dias esperando um leito e a cirurgia. Vão ter que amputar a perna dele”.

Esta situação de espera pelo atendimento adequado é a causa do agravamento de muitas das enfermidades dos pacientes, conforme denunciou Luiz Antonio Silva, técnico em enfermagem que trabalha há quatro anos no Hospital Regional de São José. “A pessoa chega com um dedo azulado. Depois de tanta demora, tem de amputar o membro”, revelou.

Outro problema relatado para a demora nas cirurgias é a falta de anestesiologista, profissional indispensável para o procedimento. Essa situação foi conformada pela diretora do hospital, Marlise Rodrigues, que reconheceu os problemas do hospital. Ela se reuniu com os deputados no fim da visita.

“Chamamos 11 novos anestesiologistas, mas apenas um se apresentou”, argumentou Marlise. Segundo a diretora, o atendimento básico não é feito nos municípios da região, o que faz as pessoas buscarem o hospital.

Outra necessidade seria o encaminhamento de pacientes atendidos pelo Samu para a emergência do Hospital Celso Ramos, na Ilha. Hoje, de acordo com Marlise, a grande maioria é encaminhada para São José. “Vamos levar este pedido à secretária de Estado da Saúde. De alguma forma, procuramos atender todos os pacientes que nos procuram”.

  Publicado em: Governo

42 comentários para Hei Caco Barcellos, qual é o teu interesse no Maranhão?

  1. erica disse:

    doeu foi, se zangou porque, so porque ele nao mostrou 1% da desgraça que é a saude do maranhao? deixa de puxar saco rapaz, voce deve ter vergonha da desgraceira que é o maranhao.

    • Caio Hostilio disse:

      Ele tem que mostrar é a situação de São Paulo e de Santa Catarina, visto que só a cidade de São Paulo tem três vezes a população do Maranhão!!!! Isso sim é de doer!!!

      • angelo disse:

        Meu caro. não interessa de onde ele é. o caro é um profissional livre para trabalhar e falar sobre o que qyiser .
        ele só esta mostrar para todo o mundo o que já é a realidade de muitos maranhenses, que sabem que a saude do maranhao é apenas um cenario para comerciais publicitarios. quanto mais distante e isolado , melhor para se construir predios de hospitais (sem medicos e medicamentos) assim a maioria nao descobre a verdade..

        • Caio Hostilio disse:

          Pago, eu faço matéria até de saco das almas!!!! rsrsrsrsrsrsrsrs… Hei, Por que ele não mostrou os Socorrões? Deixa de ser mané!!!

  2. Zé chato disse:

    Opa que crítica é essa com o colega de mídia, tem erro tem que ser mostrado… não faça esse tipo de picuinha tentando levar o foco para outro lado não. Que o governo arque com as consequências das acusações se são infundadas que demonstre isso e faça sua defesa, mas se forem verdadeiras, não tente levar isso para outro patamar. Você mesmo em seus post sempre falou da coletividade, e acho que de interesse coletivo que isso seja esclarecido.

    • Caio Hostilio disse:

      KKKKKKKKKKKKK… Por que ele não mostra as cagadas que eu mostrei aqui de São Paulo e Santa Catarina!!! Camaradinha, com certeza tem dinheiro do contribuinte do Maranhão nessa história!!! Ninguém é otário!!!

      • angelo disse:

        “tem dinheiro do contribuinte”,vc saber muito bem do que esta falando. pois muitos da impressa, como vc vivem fazendo o mesmo aqui no maranhao.

        • Caio Hostilio disse:

          camaradinha, tanto de um lado quanto do outro, como toda a imprensa mundial faz isso, mané!!! Que papo de fragota esse teu de acreditar em imparcialidade… Você é imparcial? Não, camaradinha, pois todos os seres humanos escolhem um lado e não deixam de ser hipócritas, canalhas, imorais, mentirosos, safados, inclusive eu e você que fazemos parte dessa espécie…

      • ze chato disse:

        Porque nós do Maranhão estamos preocupados com nosso estado nao com o sul/sudeste do país

        • Caio Hostilio disse:

          E por que, otário, sul/sudeste está preocupado com o Maranhão? Esse teu papo de galinha goguenta não cola zé mané… pagaram essa patacoada com os R$ 400 milhões da saúde de são luís… babaquara!!!

  3. José Eduardo disse:

    E por acaso uma coisa invalida a outra? Quer dizer que, por não ter mostrado a realidade paulista ou catarinense, a realidade maranhense deveria não ser mostrada? Aos desavisados: isso se chama “Falácia de ignorância da questão”,onde o ignorante, capciosamente, se afasta da questão, desviando a discussão.

    • Caio Hostilio disse:

      Não se trata disso, camaradinha, basta ter bom senso, pois só a cidade de São Paulo tem três vezes mais do que a população de todo o Maranhão. Por outro lado, a per capita de Santa Catarina e São Paulo, não são as melhores? Então, camaradinha, é preciso mostrar ao povo brasileiro que as cidades mais ricas oferecem a pior saúde pública e não Tutoia… Para cima de muá não cola!!! Aí entrou grana!!!

  4. José Eduardo disse:

    kkkkkkk, rir é o melhor nessas horas. Distorcendo a discussão, mas não cola, “prefessor”.
    Essa teoria da conspiração sempre aparece, mas, pensando bem, talvez seja possível suas conjecturas, afinal quando foi necessário seu grupo a usou: Lembre-se de famosa reportagem contra o senador Epitácio Cafeteira em 1994, quando o ex-governador se aquecia para disputar novamente o cargo. Inventaram até uma sobrecapa “especial para o Nordeste”, que só circulou no Maranhão. Lembras? Caso contrário lhe refresco a memória, catedrático camarada servil!

    • Caio Hostilio disse:

      Ah!!!! Você começa a assumir!!! Que bom… Tutoia interesse nacional? KKKKKKKKKKKKKK… Existem mistérios!!! Lá se foram os R$ 400 milhões da saúde de São Luís!!! KKKKKKKKKKKKKKKK… camarada, de políticos se espera de tudo!!!

  5. gilberto disse:

    Caio, tu és um porra louca, essa tua obsessão pela grupo sarney está te deixando doente> Agora quer esconder as mazelas que acontece na saúde do estado para não afetar a imagem do teu padrinho Ricardo Murad, Vai procurar uma camisa de força, vai te tratar, ou temanda para teu estado de origem, acho que la´não te querem, tu não tens serventia.

    • Caio Hostilio disse:

      Cabeça de camarão, esse papo de fragota de chupadores de ovo de Flávio Dino não cola pra cima de muá… Pode até enganar alguns maranhenses, mas um caloco, esquece zé mané!!!! hospital de totuia virando notícias nacional, cuja população é 50 mil habitantes, já em São Paulo, zé mané, que oferece hospitais ferrados conforme a matéria do Estadão, tem, zé mané, 15 milhões de habitantes. Por outro lado, zé mané, por que ele não mostrou a desgraceira dos socorrões? Esse papo de galinha goguenta não cola!!!! O certo é que agora sei onde foi parar os R$ 400 milhões da saúde de São Luís….

  6. ze chato disse:

    Te sai de São Paulo. … o Maranhão todo ta uma merda, roseana e murad lixo por onde quer que va…

  7. alessandro disse:

    caio vamos deixar a saúde de lado,eu gostaria
    de saber quantas escolas técnica, Roseana Sarney
    construio no MARANHÃO?

  8. Silva disse:

    Caro Caio,

    ….

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

PUBLICIDADE

Busca no Blog

Arquivos