Mais um capítulo da história vindo à tona!!! “Igualdade Racial é pra Valer”

Publicado em   07/nov/2012
por  Caio Hostilio

Com a presença da ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, do senador Paulo Paim (PT-RS), e das deputadas Benedita da Silva (PT-RJ) e Janete Rocha Pietá (PT-SP), o presidente Sarney assinou plano de trabalho do acordo de adesão do Senado Federal à campanha “Igualdade Racial é pra Valer” e apresentou a primeira ação da parceria – pesquisa do DataSenado “Violência contra a juventude negra no Brasil.

Em discurso, Sarney destacou: em 2010, dados oficiais mostram que, no Brasil, a maioria dos homicídios atingiu jovens entre 15 e 29 anos – 75% deles eram negros. Tais números inspiraram a pesquisa que investigou a opinião popular sobre as causas dessa violência específica – quem são as pessoas mais vulneráveis e qual é a experiência pessoal dos entrevistados em relação ao racismo -, o DataSenado entrevistou 1.234 pessoas de 123 municípios do país, incluindo todas as capitais, de 1º e 11 de outubro último. “Os resultados desse levantamento permitem identificar discrepâncias entre as opiniões captadas e as estatísticas oficiais”, explicou a ministra Luiza Bairros.

Segundo o Mapa da Violência no Brasil, 33.264 jovens afro descendentes foram mortos em 2010, contra 13.668 brancos – diferença de mais de 140% entre uns e outros. Entretanto, a pesquisa do DataSenado revela que a percepção dominante entre a população e que brancos e negros morrem na mesma proporção. Apenas uma pequena minoria dos entrevistados — 2,4% — atribui a violência contra o negro à discriminação racial.

O presidente do Senado rememorou fatos de sua militância pela causa dos negros. Lembrou que, como Presidente da República, criou a Fundação Palmares, tombou (declarou sob proteção do Estado por seu valor histórico) a Serra da Barriga e rompeu relações culturais e esportivas com a África do Sul enquanto lá existisse o apartheid. Contra o regime de apartheid da África do Sul o presidente Sarney, inclusive, discursou fez na Assembléia Geral da ONU.

Sarney ainda registrou que, desde seu primeiro mandato no Congresso Nacional, apoiou todos os movimentos a favor da igualdade racial. Ressaltou sua participação na aprovação da Lei Afonso Arinos, a primeira a criminalizar a discriminação racial no Brasil.
Pesquisa e Parceria

Sobre o trabalho do DataSenado, coordenado pela pesquisadora Elga Teixeira Lopes, Sarney destacou que o dado mais surpreendente da pesquisa – a sociedade ainda não tem a percepção exata da seriedade das manifestações de racismo no Brasil. “Apenas metade da população acredita que ser negro ou ser branco afeta a vida de uma pessoa no Brasil. Menos de 22% dos negros declara que se sentiu discriminado por sua cor ou raça.”

E prosseguiu: “Infelizmente, a realidade conflita com esta percepção. É verdade que a exclusão dos negros e da comunidade negra coincide em grande parte com a dos pobres. Mas, mesmo que superpostas, elas não podem ser confundidas. Os negros, entre os pobres, são os mais pobres; entre os que têm dificuldade de acesso à educação, os que têm mais dificuldade; entre os doentes, os mais graves; entre os que morrem vítima de violência, a ampla maioria.”

A parceria entre o Senado e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) reforça a campanha “Igualdade Racial é Pra Valer”. Lançada em março de 2011 pela ministra da SEPPIR, Luiza Bairros, a campanha quer reforçar – ou despertar – a consciência social para o problema da discriminação e incentivar iniciativas do Estado, do setor privado e da sociedade civil que contribuam para o respeito às diferenças.

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog