O PMDB foi o partido que mais cresceu no Maranhão!!! O novo mapa do poder nos municípios brasileiros

Publicado em   11/out/2012
por  Caio Hostilio

Congresso em Foco

Conheça em detalhes os resultados do primeiro turno das eleições e saiba qual é a força de cada partido nas cidades que já escolheram seus prefeitos

Eleitor votou por um país mais governista e com o poder distribuído entre mais partidos

As eleições do último domingo deixaram o Brasil mais governista, politicamente mais fragmentado e com uma configuração partidária muito diferente daquela saída das urnas de quatro anos atrás.

Essas são algumas conclusões dos resultados do primeiro turno das eleições municipais. Para analisá-los, o Congresso em Foco comparou a evolução do voto dos eleitores, entre 2008 e 2012, em cada estado brasileiro, partido por partido, município por município.

Foram tomados como referência os dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que divulgou os prefeitos eleitos de 5.514 municípios. A relação exclui as 50 cidades em que está prevista a realização de segundo turno e aquelas em que ainda não é possível apontar um vencedor, por diferentes razões. Em pelo menos quatro delas, a indefinição decorre do fato de nenhum dos candidatos a prefeito ter sido considerado apto para a disputa pela Justiça eleitoral: Monte Alegre (RN), Bom Jesus de Goiás (GO) e duas cidades com o mesmo nome e de dois estados diferentes: Cedro do Ceará e Cedro de Pernambuco.

Veja adiante as características fundamentais da nova geografia do poder municipal.

Para saber como ficou a distribuição das prefeituras por partido, em cada estado, clique abaixo, aqui vou colocar o quadro apenas do Maranhão, cujo resultado mostra que o partido que mais cresceu nas eleições de 2012 no Estado foi o PMDB.

PMDB 16 47 31, em 2008 o partido elegeu apenas 16 prefeitos, nessas elieições (2012) elegeu 47 prefeitos, cujo resultado foi o crescimento de 31 prefeituras.

Distribuição das prefeituras por partido

Um Brasil mais governista

A primeira rodada eleitoral mostra que o conjunto de partidos agrupados no plano nacional em torno do PT de Lula e do governo de Dilma Rousseff ficou mais forte. Em 2008, três partidos de oposição (PSDB, DEM e PPS) elegeram um total de 1.403 prefeitos, que correspondiam a 25,5% dos 5.508 municípios em que houve disputa eleitoral naquele ano.

Agora, das 5.514 cidades que já definiram seus novos administradores, 1.089  (19,7%) elegeram candidatos de quatro legendas oposicionistas: PSDB, DEM, PPS e Psol.

O governismo é um fenômeno federal e regional. Os partidos de oposição se saíram melhor nos estados sob o seu comando. Um exemplo é o Paraná, onde o PSDB – partido do governador Beto Richa – conquistou 36 prefeituras a mais do que em 2008. No mesmo estado, o PMDB do ex-governador e atual senador Roberto Requião sentiu na pele o que é viver num mundo de rei posto, rei morto. O PMDB paranaense perdeu 80 prefeituras.

PT e PMDB, os mais espalhados

PT e PMDB são os dois únicos partidos que elegeram no primeiro turno prefeitos em todos os estados.

São também os que obtiveram maior soma de votos válidos para prefeito. O PT recebeu 16,7% do total de votos dados no país. O PMDB, 16,2%.

Mas foi o PMDB quem conquistou mais prefeituras, 1.020. Elegeu mais prefeitos que as outras legendas em todas as regiões, com exceção do Sudeste, onde o PSDB levou a melhor.

PSDB e PSB, um tem o que falta ao outro

Dono de 13,5% dos votos válidos dados aos candidatos a prefeito, terceira maior votação alcançada no país, o PSDB não elegeu prefeitos no Amazonas (onde disputará o segundo turno em Manaus) e no Amapá e venceu em apenas dois municípios no Rio de Janeiro.

Mesmo assim, graças à sua forçaem Minas Geraise São Paulo, tem vantagem sobre os outros partidos no Sudeste, berço de 47% dos prefeitos tucanos. O Nordeste é que continua sendo o maior problema do PSDB.

A região garantiu a vitória de 28% dos prefeitos eleitos pelo PMDB e 30% dos petistas, mas de apenas 16,6% dos tucanos que saíram vitoriosos no domingo.

O PSB é a segunda força partidária no Nordeste, onde o partido amealhou 60% de suas prefeituras. O partido foi o quarto mais votado em todo o Brasil, com 8,4% dos votos.

O novo quadro partidário

Sejam quais forem os resultados de segundo turno, as eleições municipais já trouxeram alterações importantes no quadro partidário.

Nesse novo cenário, o PMDB e o PSDB encolheram, mas permaneceram fortes, e formam com o PT (que continuou crescendo) o trio dos grandes partidos do país. Todos os três tiveram, individualmente, mais de 13 milhões de votos válidos para prefeito no domingo.

Um segundo pelotão é integrado pelos partidos médios, nos quais se destacam o PSB (8,6 milhões de votos válidos) e o PSD (5,8 milhões). Este estreou conquistando o quarto maior número de prefeitos (493). Aquele foi, dos partidos que já estavam na briga quatro anos atrás, o que mais cresceu.

Enquanto PSB e PSD estão em ascensão, outros cinco partidos médios – com votação entre 3,7 milhões e 6,2 milhões, lutam contra o declínio e perderem prefeituras em relação a 2008: PP, PDT, PTB, DEM e PR. O DEM teve os resultados mais negativos. Conquistou 276 prefeituras. Nas eleições passadas, tinham sido 493. Em 2004, 784.

O grupo seguinte traz seis partidos pequenos, cujos candidatos a prefeito receberam no total entre 1,6 milhão e 2,4 milhões de votos: PRB, PPS, Psol, PV, PCdoB e PSC. Dentre eles, dois diminuíram de tamanho (o PV e o PPS) e três cresceram expressivamente em total de votos para prefeito: PRB e PSC, acima de 65%; Psol, 200%.

  Publicado em: Governo

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog