Espigão Costeiro aumenta faixa de areia e contém erosão na Ponta d’Areia

Publicado em   29/jul/2012
por  Caio Hostilio

O Espigão Costeiro da Ponta d’Areia, construído pelo Governo do Estadoem São Luíspara conter o avanço da erosão na área e desassorear o canal, melhorando a navegabilidade das embarcações, já apresenta efeitos visíveis, como o aumento da faixa de areia no local. Com investimentos na ordem de R$ 12 milhões, uma parte da obra, iniciada em abril de 2011, está concluída. A previsão é que em menos de um mês tenha início a fase de urbanização, que transformará a paisagem em um novo ponto turístico de São Luís.

De acordo com estudo elaborado pela Universidade de São Paulo (USP), encomendado pela Vale e doado ao Governo do Estado, as transformações ocorridas com a construção da Barragem e do Aterro do Bacanga modificaram a velocidade dos rios Bacanga e Anil. Isso acarretou em mudanças na corrente marítima na área da Ponta da Areia, aumentando a intensidade da erosão e diminuindo a faixa de praia, o que acentuou ainda mais o assoreamento do canal.

Segundo o secretário de Estado de Infraestrutura, Max Barros, o Espigão Costeiro da Ponta d’Areia, também conhecido como quebra-mar, vai recompor a faixa de praia que existia, anos atrás, no local, de forma a conter o avanço da erosão, que já atinge bares, restaurantes e prédios residenciais.

A previsão é que a faixa de praia esteja totalmente recomposta, como era há 50 anos, em um período de 10 anos, ou seja, é uma obra com benefícios a longo prazo. “O que a natureza levou anos para fazer, vai levar anos, também, para se recompor e ter o efeito desejado. Mesmo assim, apesar da previsão de 10 anos, os efeitos do Espigão já são percebidos”, afirmou.

Desassoreamento

Outro papel importante desempenhado pela obra é o desassoreamento do canal da Ponta d’Areia, existente entre a península e o banco de minerva, uma espécie de banco de areia. O local serve para o tráfego de embarcações, que estavam encalhando por causa do assoreamento existente no canal.

“Se a obra não fosse realizada seria ainda maior o número de embarcações encalhadas no local, dificultando a ligação da cidade de São Luís com a Baixada Maranhense. O Espigão vai permitir que as embarcações não precisem mais contar com a sorte das marés, pois em breve, o local ganhará uma Marina”, contou Max Barros.

A estrutura do quebra-mar possui572 metrosde extensão e contará com mais128 metrosperpendicular à área onde hoje é o Espigão, formando um ângulo de 90º, é nesse encontro que será construída a Marina da Ponta d’Areia.

A obra tem largura variável, indo de7 m, no ponto mais próximo da terra, até13 m, no ponto mais profundo da orla. Já a altura, varia de quatro a14 m.

Urbanização

Além de ser uma obra de engenharia com a função específica de conter a erosão e desassorear o canal, o Espigão tornou-se um ponto turísticoem São Luís, levando o Governo do Estado a incluir no projeto inicial, a parte de urbanização da área.

Segundo o secretário Max Barros, a licitação já foi concluída, a empresa vencedora está contratada e a Secretaria de Infraestrutura já possui o licenciamento ambiental. Agora, aguarda a liberação da Marinha para o início dos serviços de urbanização. “Esperamos que, no máximo, em duas semanas tenhamos o documento. A expectativa é que em um mês as obras sejam iniciadas e em um ano a urbanização, não só do Espigão, mas de toda orla da Ponta d’Areia, esteja totalmente concluída”, enfatizou.

A primeira etapa da obra, que inclui a complementação de pedra do Espigão e vai tornar a chegada das embarcações no local mais segura, deverá ser concluída em seis meses. Já a fase da urbanização total deve durar um ano.

O projeto inclui a construção de um deque de madeira, que utilizará madeira reaproveitada e palmeiras imperiais como item de ornamentação, proteção das laterais, bancos ao longo do espigão, quiosques paravenda de artesanato maranhense, lanchonetes, locais para coleta de lixo, pontos de observação, além de calçadão e ciclovia, entre outros espaços paisagísticos.  

“O Espigão vai se tornar uma área de passeio público, um espaço de contemplação tanto para os moradores de São Luís, quanto para os turistas, com quiosques de conveniência e bancos em toda área. A orla vai ter um grande calçadão que pode ser utilizado para práticas esportivas como ciclismo, corrida e caminhada”, contou Max Barros.

A maranhense radicada em Portugal, Indira Gand, visitou pela primeira vez o Espigão Costeiro e revelou que o pôr do sol no local é muito bonito. “Eu não costumava visitar essa área da cidade, mas, depois da obra vejo que ficou muito bonito. O local é lindo para visitar no fim de tarde e também de manhã cedo para ver o nascer do sol”, disse.

Já para o turista paulista, János Varga, a obra tem tudo para fazer ainda mais sucesso. “Virou um ponto turístico bem interessante e quando estiver toda urbanizada então, vai ficar ainda mais bacana”.

Memorial Bandeira Tribuzi

Também está incluída no processo de melhoria urbanística do Espigão Costeiro, a revitalização do Memorial de Bandeira Tribuzi, que deve ser transformadoem Centro Culturalguardando toda a obra do poeta ludovicense. O memorial servirá ainda, de apoio para a Marina a ser construída no local.

Outra mudança será a interrupção do tráfego de veículos nas proximidades do Forte da Ponta d’Areia. “A área será transformada para incentivar passeios. O muro do Forte também será recomposto, para valorizar ainda mais, o monumento”, disse Max Barros.

Obras para os 400 anos de São Luís

Segundo Max Barros, além das obras de urbanização do Espigão Costeiro, o Governo do Estado tem preparado diversas ações para serem entregues nos 400 anos de São Luís. É o caso da primeira etapa da Via Expressa, no trecho da Avenida Carlos Cunha ao Cohafuma. A obra, que vai beneficiar mais de 300 mil pessoas prevê a ligação da Avenida Colares Moreira – passando pela Carlos Cunha – até a Avenida Daniel deLa Touche, na altura do Ipase.

Também serão entregues a Biblioteca Pública Benedito Leite, que teve a parte estrutural, elétrica e hidráulica totalmente recuperada. O local ganhou climatização e a inclusão de elevadores para permitir o acesso de pessoas com deficiência.

Outra obra é o Estádio Castelão, localizado na Vila Palmeira, com capacidade para abrigar 40 mil pessoas, que foi totalmente recuperado e passa a atender as normas de segurança da legislação brasileira e da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

QUADROS

Benefícios do Espigão Costeiro ou quebra-mar

–         Promover o fim da erosão na área da Ponta d’Areia;

–         Recompor a faixa de praia do local;

–         Desassorear o canal de navegação;

–         Ajudará no processo de renovação da água da Lagoa da Jansen, pois no local era necessária a dragagem de forma mais eficiente;

–         Local será transformado em ponto turístico de São Luís;

–         Vai contribuir para geração de emprego e renda com a inclusão de quiosques ao longo do Espigão e estimular a venda de artesanatos locais.

Dados do Espigão

Investimento: R$ 12.038.277,56

Comprimento: 560m

Largura (início): 7m de crista

Largura (intermediária): 9,94m

Largura (final): 13,36m

Altura: 8m

Altura acima da preamar máxima: 1,4m

 

  Publicado em: Governo

2 Responses to Espigão Costeiro aumenta faixa de areia e contém erosão na Ponta d’Areia

  1. manoel marcelo moreira disse:

    vc é uma pessoa q serve a familia sarney,come os restos e vai viver assim que nem um merda vai te tomar uns 13 seu porra pra vc aprender seu merda baba.

    • Caio Hostilio disse:

      Você é uma porra louco!!! E deve passar marda de gato na cara e comer a merda dos que te pagam para fazer comentários idiotas em blogs, além de chupar o ovo deles!!!

Deixe uma resposta

Contatos

hostiliocaio@hotmail.com

Assine o Blog

By signing up, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy.

Publicidade

Busca no Blog